O Paraíso dos Gangsters

Gangsters. Simplesmente criminosos membros de gangues. O crime para eles normalmente costuma compensar. Se você imagina um negro de 2 metros de altura quando houve essa palavra, carregando inúmeros colares de ouro e é claro, dançando um break enquanto anda com uma arma presa à cintura, você está enganado…

Criminosos como Al Capone, Frank Costello, Albert Anastasia, Lucky Luciano e Carlo Gambino eram todos líderes das maiores facções italianas de crime organizado nos Estados Unidos; e todos eles eram gangsters. Tráfico de armas, drogas, assaltos a mão armada, tudo minuciosamente tratado sem a percepção policial (diferente dos criminosos brasileiros que fazem uma cagada gigantesca e não sabem se esconder). Então, se você joga Mafia Wars, saiba que rolava treta de verdade na primeira metade do século passado, onde a luta entre máfias era constante, com diversos mortos.

Porém, a cultura gangster só afluiu aos anseios dos negros do Brooklyn, em Nova Iorque, na década de 70. É nesse contexto que emerge o Hip-Hop e suas demais vertentes. O Hip-Hop clássico, chamado de “hip-hop da costa leste”, é o mais antigo dentre elas, cujos grandes pioneiros se concentram na periferia da “Big Apple”. É daí que surgem artistas como DJ Kool Herc, Kurtis Blow, Jay-Z e The Notorious B.I.G..

Na década de 90, o movimento se espalharia pelo mundo, e sobretudo pela costa oposta do país, chegando ao oeste. É de lá que o termo mafioso exporta Jayo Felony, King MC, 2Pac, Coolio, Cypress Hill e Dr. Dre, sem falar que o pessoal dessa área se diz bastante influenciado por Prince, Kraftwerk e Michael Jackson.

Leste ou oeste, de uma costa a outra, ambos os estilos de Hip-Hop são idênticos e divergem em pouca coisa. Porém, um é mais funk, mais trabalhado, o outro é um rap mais de raiz, menos preocupado com a métrica e mais com a essência, muitas vezes egocêntrico. Se quiser ter uma amostra prática disso, olha aí um clipe do Coolio com o rapper L.V., “Gangsta’s Paradise” (do álbum homônimo de 1995), que possui excertos de uma música de Stevie Wonder e que foi parodiada por Weird Al Yankovic em “Amish Paradise”, representando a costa oeste. Depois, “Can’t Knock the Hustle”, do Jay-Z com Mary J. Blige, do álbum Reasonable Doubt de 96, primeiro e aclamado disco do cantor, representando os novaiorquinos.

Coolio – Gangsta’s Paradise (feat. L.V.)

Jay-Z – Can’t Knock the Hustle (feat. Mary J. Blige)

YOOOOWWWW… fui…

=D

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s