Fim de mês: Setembro

Orra mas fazer o balanço de fim de mês uma semana depois que o mês acabou é tenso hein… desculpe-me o leitor pelo atraso, mas esse mês malditinho de setembro não parou no mundo da música por um segundo se quer. Foi muita coisa nova nessa maçã. MUITA MESMO!

E tem uma nova (nem tão nova assim) artista pop surgindo na parada, nem tão comercial  mas também nem tão underground. A sueca Agnes, que lançou neste mês no dia 5 seu quarto disco de estúdio, chamado Veritas, faz uma mescla de Lana Del Rey com Madonna bem bacana. Vale a pena dar uma conferida aí:

Agnes – “One Last Time”:

 

Agora vamo falar de coisa bizarra. Bizarrésima. Além desse disco, saiu no dia 4 o Centipede Hz do Animal Collective. Eu sei eu sei, você nunca ouviu falar dessa budega na sua vida. GRAÇAS A DEUS. Que por*a esquisita do capeta da brisa alucinógena dos menininhos azuis de Oklahoma que fazem uga-uga-blue-bóy! É experimentalismo demais, diferentes sensações em um só disco, confusão total. Ou seja, é muito legal! Sério, você hipster sem nada pra fazer no meio da noite acessando esse blogzinho, ouve aí a “Applesauce” (olha o nome da música):

Animal Collective – “Applesauce”:

 

Chega de undergroundismo e vamos para o mainstream, porque setembro foi um mês sexy para os grandes artistas.

Começando rapidamente pelo Mumford & Sons, que lançou o seu Babel no dia 21, mas que não tem muita coisa de especial que vai colocar a banda de volta nas paradas de sucesso, senão o single “I Will Wait”, que é uma praga pegajosa e merece ser colocado aqui:

 

O Green Day fez um bom trabalho em ¡Uno! (dia 24), mas ficou claro que a banda nunca mais vai voltar ao que era na época do American Idiot. Porém, ainda tem as sequências de ¡Uno! a serem lançadas, chamadas de ¡Dos! e ¡Tré!.

Green Day – “Kill the DJ”:

Acho que o Billie Joe Armstrong teve uma paixonite instantânea pelos DJs, com seus versos de amor e dedicatória como “someone kill the dj, shoot the fuckin’ dj.”, mas ok.

Setembro foi um mês tão agitado no mundo da música que teve disco até do NO DOUBT. SIM! NO DOUBT! OS CARAS RESSUSCITARAM! Push and Shove foi outro disco lançado dia 21, com uma capa à la Queen em escala de cinza:

Pra conferir o single “Settle Down”, clique aqui.

A Gwen Stefani nem parece que tem 43. Arrasou no look (ui mona!), mas quem não arrasou pra mim foi o Killers. Não entendi muito o que o estilo rockabilly que eles adotaram tem a ver com a banda, e apesar do novo disco Battle Born ser legalzinho, eu juro que esperava mais do The Killers. Mas fica aí um “Runaways” pra ocupar espaço:

Hip-hop também não foge dessa. Gravity, do rapper Lecrae, mostra o que é hip-hop moderno de verdade. A diferença perfeita do que é fazer música por dinheiro e fazer música pela simples alegria de viver. O single “Mayday” não sai da minha cabeça e o disco é sem dúvida um grande candidato a melhor do ano na categoria.

Cara, é disco demais, lançamento demais, música demais que teve em setembro. Além de toda essa negada tivemos ainda novos álbum do Two Door Cinema Club, Billy Talent, Gallows, Dave Matthews Band, The xx, Hoobastank, Nelly Furtado, Pink, Ne-Yo, deadmau5, John Frusciante e é claro, o tão esperado The 2nd Law do Muse.

Muse – “Panic Station”:

E como todo mundo faz aniversário em setembro, no dia 18 foi lançado o Bad 25, em comemoração aos 25 anos do memorável álbum Bad do Michael Jackson, que além do disco original vem acompanhado de uma porrada de material bônus, dvd e caralhoàquatro.

Fui! o/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s